sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Roda-Gigante



Roda-Gigante

Ela chegou como sempre fazia... Toda noite me cobria para eu não pegar novamente um resfriado. Afinal, não se pode brincar com a saúde. Eita, menina da saúde frágil! Mas, foi criada como se tivesse tudo, mesmo tendo tão pouco... O que importa?

O amor e o conselho para a vida foram dados! E, assim, nesse mundo que roda e roda e roda vamos vivendo como roda-gigante, como guerreiros que caem, mas sempre se levantam. Tem aprendizado mais sábio do que essa fé teimosa de sempre olhar para o horizonte? Com efeito, não tem.

Amor de mãe é assim. Sofrido e valorizado depois de vários anos...Parece que cometemos sempre o mesmo erro: descobrir o valor um pouco tarde nos ponteiros desse relógio que não para.

A criança não entende muita coisa mesmo. Cada um tem o super-herói que quer ter. A minha tinha uma pele morena e os lábios púrpura. Assim que eu a via. Como era grande! Nossa, ela vai conquistar o mundo! Nada vai dar errado pra mim...porque ela me protege! Quando eu seguro na sua mão não consigo sentir medo de nada. Tudo é magnífico! Ela é a pessoa mais maravilhosa dessa família! Irmã mais velha é assim. Briga muito, mas ganha o destaque de ser a fonte de inspiração dos iniciantes dessa roda-gigante que parece caminhar numa montanha-russa.

E quem disse que a inocência acaba nos tenros anos? Nada disso. É só o começo. Quando se pensa que se sabe muito, pouco se sabe ao certo. A adolescência não é nada perto da fase adulta. Quanto mais primaveras se passam, mais conseguimos ser bebês no que pertine ao "saber viver". Melhores amigas ou amigos, mãe, namorado, marido, novos melhores amigos ou amigas, mãe, psicólogos, psiquiatras, livros, novos caminhos ...Quanta coisa procuramos para entender melhor esse parque de diversões e riscos que se chama "viver".

Da tragédia à comédia...da comédia à tragédia...de muito a pouco...de pouco a muito...de risos a lágrimas...de lágrimas a risos...Quem entende? Por favor, me explique! Será uma nova síndrome?  E isso pega? Eu não sei de nada...eu acho...Ah! Descobri!  É que eu não sei explicar, apenas sinto...

Os anos passam e novos protagonistas, coadjuvantes, guerreiros, heróis e heroínas entram em cena.

De repente, ele chegou. Era para ser eterno e não foi. Ou melhor, eternizou-se como pôde. Lugar de destaque logo passou a ocupar. Ninguém seria como ele. Ninguém foi como ele. Confidente, amigo, pai, tudo...Mesmo errando...é tão especial que só fica a parte boa. É só essa que importa. Talvez, TUDO seja a sua palavra mesmo. O que Deus coloca em seu coração nem você consegue tirar. Esse herói não passa nunca. Sempre será vencedor! Sempre será o seu herói. Amor do tamanho do céu.

E assim a vida te ensina a amar.  Tudo e quem Deus coloca em seu caminho. Você ama pessoas, ideias, cachorrinhos...Ama e cuida como filhos e não está nem aí para a opinião alheia. Se você ama como o céu é porque você subiu na escalada da vida e conheceu o ápice do sentimento mais nobre e divino que existe.

Caminhando ainda mais, você aprende que amar não é só amar, mas deixar-se ser amado. Acha estranho alguém também te amar tão forte como o Sol brilha... Como pode? Eu não sei...só sei que estou vivendo. E se for para ser assim, que assim seja. Como disse o poeta, que seja eterno enquanto dure!

É acertando e errando que se vai vivendo. Um dia de cada vez...

E assim começa mais uma história...


Karoline Brasil

sobreavidaempalavras.blogspot.com.br